Robert Colasso

Filosofia do meu existir

O ser e o aparecer-desaparecer dos seres

Permanecem constantes dentro de mim

O medo que me domina me coloca de frente

à mudança, à transformação, à permanência

A todo momento a vida ao meu redor me ensina

E é esse ensinamento que me transforma

Mas eu quero encontrar algo em mim que seja

permanente, permanentemente essencial

Uma essência que esteja apta a se transformar

Mas que esteja sempre comigo

Uma espécie de ser/não ser da minha humanidade

A minha reflexão do existir, do meu existir.

 

O espaço da filosofia como retrato da educação nas escolas.

Fica claro durante as aulas a necessidade de mostrar a “utilidade” da filosofia no ensino regular, parece em um primeiro momento desnecessário introduzir uma disciplina que para muitos demanda uma erudição e intelectualidade não encontrada nas escolas.

Entender a necessidade de filosofar no ensino básico começa por primeiramente problematizar o contexto das escolas, buscar a “utilidade” da filosofia vem da necessidade de enquadra-la em um modelo há muito reproduzido e institucionalizado na realidade escolar.

Um modelo republicano de ensino, que visa extrair do aluno a sua funcionalidade dentro de um mercado econômico, qual seria a necessidade de ensinar filosofia se dela não pudermos lapidar um agente reprodutor do modo de vida “padrão”?

Dessa forma, o ensino de filosofia entraria como um retrato do colapso da educação e seu formato baseado em valores antigos, valores estes que universalizam o ensino, de maneira a não enxergar as particularidades do contexto histórico, social, humano e subjetivo de cada filosofo em potencial.

Assim o espaço que a filosofia encontra ao se submeter a essa realidade da vida humana como mercadoria, seria justamente a de se entender como “inútil”, uma vez que a construção de um filosofar em conjunto entre alunos e professores, buscaria no limite a criação de um pensamento crítico a respeito do mundo.

Qual é o papel desse filosofar? E como inserir esse “pensamento crítico” em um processo coletivo? O  ato de filosofar em sala de aula se constituiria por um processo de análise filosófica das realidades do aluno, dessa maneira a filosofia perderia o status de erudição e intelectualidade e passaria a ser um meio de olhar o mundo sobre outro aspecto.

Minha voz

Sua voz pode ter uma força que abre portas

Onde está a minha voz?

Eu a escuto, uma voz tímida

Eu aprendi a abrir os olhos

E agora encontrei a minha voz

Mas é cedo ainda para falar

É cedo ainda, a aurora surge no céu

E com ela vem a paciência de um mestre

Eu encontrei minha voz, me mostre como usar

 

O eterno recomeço – O meu eu filosófico

Os eternos recomeços nos alimentam a alma

Os eternos recomeços são um refresco para o espírito

As vezes tão rápidos e surpreendentemente instantâneos

que nos pegam do nada

Um segundo, uma palavra, uma imagem e de repente

tudo muda, nada mais será o que um dia foi

Momentos que transformam a minha humanidade

Momentos que me tocam, me marcam e me deixam

uma vez mais cru, uma vez mais experiente

Eu sou aquilo que em mim permanece e cresce

Aquilo que submetido à uma constante reavaliação

permanece mais forte e mais apto a se transformar

Eu sou um eterno recomeço

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s